Sistema Famato
FAMATO
IMEA
       
Fale Conosco
 
   
 
 
28 de Abr de 2017

voltar
 
CAPACITAÇÃO DE INSTRUTORES
Em aula prática, instrutores do SENAR aprendem e ensinam produtor a otimizar uso da água
 
Senar Brasil
 

Brasília/DF (28/04/17) - Saber a quantidade exata de água que a planta precisa receber é o grande dilema da maioria dos produtores rurais que trabalham com sistemas de irrigação. O fato foi constatado durante aula prática do Programa Nacional de Irrigação do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR), que capacita esta semana 30 instrutores de 17 estados.

 

Os participantes visitaram uma propriedade no Programa de Assentamento Dirigido do Distrito Federal (PAD/DF), localizado nos arredores de Brasília, onde conheceram de perto o sistema de irrigação por aspersão convencional utilizado pelo produtor Rivelino Francisco Simões.

 

Segundo o olericultor, a irrigação das culturas é feita diariamente e "no olho". Ele argumenta que essa frequência é necessária. Porém, o teste de uniformidade realizado pelos instrutores na plantação de batatas-doces mostrou que existem áreas com excesso de umidade e com má distribuição da água, o que prejudica a produção.

 

A pesquisadora do Inovagri, Débora Camargo, que ministra o treinamento de instrutores, explica que os problemas mais comuns encontrados nas propriedades rurais são a falta de manutenção dos sistemas, em que o produtor não faz uma avaliação periódica de como o sistema está funcionando, a não uniformidade na aplicação da água, além de ter tipos diferentes de emissores, entupimentos e a fertirrigação não ser feita da maneira apropriada. "Essa propriedade que estamos visitando é um exemplo clássico: entramos na área de avaliação e o solo já estava encharcado. O proprietário informou que aquela área foi irrigada no dia anterior e hoje precisaria ser irrigada novamente, mas o solo já estava encharcado. Ou seja, ele não tem ideia da quantidade de água que tem no solo e continua irrigando, exagerando e desperdiçando água e aumentando o custo de energia dele."

 

Solução para o problema

 

O grupo encontrou uma maneira de ajudar o produtor a verificar a quantidade de água na plantação. A sugestão foi o uso do sistema gasoso de controle de irrigação, desenvolvido pela Embrapa e conhecido como Irrigas. Quem explicou para o produtor como funciona o equipamento foi o instrutor do SENAR Espírito Santo, Fábio Gomes Pimentel. "É um sistema de fácil construção, elaborado com uma vela de filtro, uma mangueira de sete milímetros, um bebedor de passarinho e uma esfera de isopor. Tudo sai a uns 10 ou 15 reais. É um equipamento simples e acessível e aqui na sua fazenda, o senhor pode estabelecer, dependendo do tamanho da área, a quantidade apropriada de Irrigas. Assim, o senhor poderá usar seu conhecimento e mais esse sistema para poupar água na irrigação", conta Pimentel.

 

Da última capacitação em outubro do ano passado sobre irrigação localizada até agora, vários instrutores mostraram para os produtores rurais, durante os treinamentos nos estados, as facilidades do uso do Irrigas, revela Débora Camargo, do Inovagri. "O resultado que temos é que todo mundo que está usando o Irrigas diminuiu de 20 a 30% o consumo de água e a conta de energia também diminuiu consideravelmente. A nossa ideia é apresentar esse sistema para o seu Rivelino também, porque certamente ele está gastando mais água do que deveria, além de trazer uma economia para essa propriedade."

 

A instrutora do Distrito Federal, Luciana Dinato, sinalizou que em breve, o SENAR vai voltar na propriedade para capacitar o olericultor. Ela conta que devido à crise hídrica que o DF vive, muitos produtores estão cortando pela metade a produção nas fazendas, principalmente na cidade de Brazlândia, onde se concentra a maior parte da produção de morangos da capital.  A orientação atual da Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento do Distrito Federal (Adasa) é que os agricultores cortem em 50% o uso de água nas propriedades rurais. "Não foi feito um estudo para saber quais são as culturas que os produtores plantam, a necessidade de água de cada uma, nada. Os produtores estão desesperados. E como o SENAR pode levar capacitação e informação, tanto na Assistência Técnica e Gerencial quanto nos cursos de Formação Profissional Rural (FPR), precisamos buscar soluções práticas e rápidas para que consigam resolver essa situação agora", ressalta.

 

Na Bahia, a seca também está afetando os produtores rurais, revela o instrutor João Júnior. Segundo ele, o treinamento veio para afinar o conhecimento e deixar as tecnologias de irrigação mais acessíveis ao produtor. "Esse conhecimento será de grande valia porque vamos poder ajudar o produtor a ter mais cuidado com esse recurso tão importante para todos nós que é a água."

 

Animado com a repercussão do curso, o coordenador do programa, Rafael Diego Nascimento da Costa, afirma que a ideia do SENAR com a iniciativa é essa: "mostrar para o produtor que é possível ter eficiência e otimizar o uso da água com os sistemas de irrigação, trazendo assim, mais economia para a propriedade rural."

 

Durante as aulas práticas, os profissionais também conheceram o sistema de irrigação por pivô central, em uma propriedade em Cristalina (GO) que utiliza para irrigação de pasto, frutas e grãos. O Programa do SENAR prevê ainda outra capacitação para os instrutores, o tema será sistema de irrigação por superfície e inundação.

 



Fonte: Assessoria de Comunicação do SENAR
 

VEJA TAMBÉM
Concurso de videoaulas para instrutores teve o prazo de inscrições prorrogado
Programa Campo Aprendiz inicia turma em Querência com 80% de mulheres
Senar lança concurso de videoaulas para instrutores credenciados
Curso de drones do Senar-MT se destaca na capacitação de mão de obra na área tecnológica
 
Veja mais notícias

Buscar Cursos
 
 POR TIPO DE CURSO
 
 
  POR CIDADE
 
 
 
Formação Profissional Rural
 
 
Promoção Social
 
 
 
 
 
 
(65)3928-4800
SENAR-MT 2014 - Todos os direitos reservados
Política de Privacidade
senar@senarmt.org.br
 
Rua Eng. Edgard Prado Arze, sn, Qd 01
Setor A - Centro Político Administrativo
CEP 78.049.015 - Cuiabá-MT