Sistema Famato
SENAR
IMEA
       
Fale Conosco
 
   
 
 
04 de Jun de 2020

voltar
 
VIDEOCONFERÊNCIA
CNA discute impactos do coronavírus no setor sucroenergético
CNA
 

Brasília (03/06/2020) – A Comissão Nacional de Cana-de-Açúcar da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) se reuniu na quarta (3) para discutir os impactos da pandemia no setor sucroenergético e a participação dos produtores na remuneração gerada pela emissão dos Créditos de Descarbonização por Biocombustíveis (CBios).

 

O presidente do colegiado, Ênio Fernandes, conduziu o debate virtual, que contou com a participação de Federações da Agricultura e Pecuária dos Estados, especialistas do setor e entidades representativas de produtores e fornecedores de cana.

 

Segundo o presidente da Organização de Associações de Produtores de Cana do Brasil (Orplana), Gustavo Rattes de Castro, o clima seco na região Centro-Sul impactou a produtividade agrícola. “Em relação ao mercado, com o lockdown, houve redução no consumo e nos preços do etanol. Entretanto, esperávamos um impacto maior”.

 

Já o coordenador consultivo da Orplana, Ismael Perina Júnior, disse que a maior preocupação é com a pós-pandemia. “O financiamento da próxima safra poderá ser um problema. O rigor das análises de crédito rural será maior e mais complexo”.

 

Para o gestor de Projetos do Pecege, Haroldo Torres, o impacto da pandemia no setor foi severo até o momento, principalmente para o etanol. “Tanto destilarias autônomas quanto fornecedores de cana terão menor geração de caixa, o que pode comprometer os investimentos no ativo biológico e reduzir os ganhos nas safras seguintes”.

 

O diretor da Federação dos Plantadores de Cana do Brasil (Feplana), Luís Henrique Scabello, afirmou que em razão do clima seco na região Centro-Sul, as usinas estão com a moagem de cana acelerada, indicando uma safra mais curta.

 

Outro assunto debatido na reunião foi a participação dos produtores de cana no Crédito de Descarbonização por Biocombustíveis (CBios), remuneração que as usinas produtoras de etanol receberão pelos serviços ambientais. O benefício está previsto na Política Nacional de Biocombustíveis, o RenovaBio.

 

De acordo com o presidente da Comissão Nacional de Cana-de-Açúcar, Ênio Fernandes, o produtor vai gerar parte desses CBios, mas quem vai comercializar é a indústria. Os representantes da Comissão defendem que parte desse recurso seja repassada ao produtor e o que é de direito da usina seja repassado para a indústria.

 

Fernandes destacou a importância da articulação do setor com outras cadeias que já recebem o crédito, como a soja e o milho. “O CBios pode ser a porta de entrada para a remuneração por outros ativos ecológicos”.

 

A precificação esperada de Açúcar Total Recuperado (ATR) na safra atual também foi tema da pauta. O ATR aponta os percentuais de açúcar e sacarose da cana, o que influencia diretamente na remuneração paga ao produtor.

 

Segundo o gestor de Projetos do Pecege, Haroldo Torres, em média, na safra 2019/2020, 40% do preço do ATR foi dado pelo preço do açúcar. “Na safra 2020/2021 o mix provisório sinaliza que o açúcar será responsável por 55,78% da remuneração do produtor”. 

 

Assessoria de Comunicação CNA
Telefone: (61) 2109-1419

flickr.com/photos/canaldoprodutor

twitter.com/SistemaCNA

facebook.com/SistemaCNA

instagram.com/SistemaCNA

facebook.com/SENARBrasil

 



Fonte: Assessoria de Comunicação CNA
 

VEJA TAMBÉM
Aliança Agroeconômica lança relatório com dados de produção do Centro-Oeste
Armazenamento em nuvens melhora gerenciamento de propriedades rurais durante pandemia
CNA, Federações, Conselho do Agro e FPA discutem com governo medidas emergenciais
Cuiabá ganha primeira startup de eventos virtuais
 
Eventos

nenhum evento com foto
 
Cenarium Rural
 
Galeria Multimídia
Videos
Fotos
Bom dia Senar Retificação do CAR
Senar-MT Responde Nota Avulsa Eletrônica
Bom dia Senar Composição de Dívidas
 
 
       
 
   webmail   
 
e-Famato   
 
(65) 3928-4400
famato@famato.org.br
 
Rua Eng. Edgard Prado Arze, s/n
Centro Politico Administrativo
CEP 78.049.908 - Cuiabá-MT