Sistema Famato
SENAR
IMEA
       
Fale Conosco
 
CAR
APF
Whatsapp Sistema Famato
   
 
 
28 de Set de 2016

voltar
 
PREVENÇÃO
1º Workshop de Influenza Aviária reúne mais de 200 pessoas em Nova Mutum
Ascom Famato
 

Mesmo sem qualquer registro da Influenza Aviária no território brasileiro, a Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato) em parceria com a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), indústrias avícolas e Associação de Produtores realizaram nessa terça-feira (27), em Nova Mutum, o primeiro Workshop sobre a doença contagiosa Influenza Aviária (IA). O evento reuniu mais de 200 pessoas no Centro de Eventos Quick.

 

O objetivo é orientar os avicultores sobre a prevenção para a redução do risco de introdução do vírus IA, por aves migratórias em decorrência de casos nos Estados Unidos e alertar quanto ao período de migração de aves do Hemisfério Norte para o Hemisfério Sul.

 

O médico veterinário e analista de pecuária da Famato, Marcos de Carvalho disse que a realização do Workshop é importante para apresentar aos produtores os riscos econômicos e sanitários que a doença pode causar ao Brasil e o que ela já causou no mundo. Para a Famato, provocar um debate que esclarece ao avicultor as formas de transmissão, prevenção e controle da doença é fundamental. “A Influenza Aviária não tem cura e os cuidados para evitar a entrada da doença no estado são fundamentais para garantir a sanidade dos plantéis”, apontou Carvalho. 

 

De acordo com a representante do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Reini Braga Moreira, entre os anos de 2014 e 2015 os EUA tiveram um prejuízo de mais de U$ 879 milhões com erradicação da doença.  Foram registrados 211 focos em produções comerciais e 21 focos em criações de fundo de quintal. “Foi o maior foco acontecido e indiscutivelmente o mais significante evento de sanidade animal na história dos EUA. E se isso acontecer no Brasil estaremos preparados?”, questionou Reini.

 

O diretor técnico da ABPA, Ariel Mendes destacou os impactos econômicos e as medidas de prevenção para o setor produtivo como, o controle pragas, a orientação aos trabalhadores quanto às medias de biossegurança, a restrição à entrada de veículos nos aviários e a adequação à estrutura produtiva.

 

Ainda de acordo com Mendes, os casos de mortes de aves ou de síndrome respiratória em pessoas que tenham tido contato direto com o aviário devem ser comunicados urgentemente aos serviços oficiais de saúde pública.

 

A ABPA criou em 2015 o Grupo Estratégico de Prevenção de Influenza Aviária (Gepia), que visa incrementar as medidas de prevenção, adequar estruturas produtivas, registros de granjas, atualizar o plano de contingência e ampliar a capacidade de diagnósticos. Mendes destacou ainda que em 2016 o Mapa criou um grupo de trabalho, ligado a Câmara Temática de Aves e Suínos, que se reúne uma vez por mês para discutir políticas púbicas para o setor avícola.

 

Reini alertou os criadores de aves, comerciais ou não, quanto às boas práticas e cuidados de biossegurança, como a não proximidade entre as granjas e a necessidade de impedir, por meio de tela, o contato das aves da produção com aves silvestres. “A doença é considerada exótica. Essa é uma condição privilegiada e para não perder o título de estado livre da doença, medidas de prevenção e bom manejo devem ser adotadas, como a proteção dos aviários”, disse.  

 

A médica veterinária do Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea-MT), Caroline Lemes Bourscheid falou sobre os dados da avicultura mato-grossense e sobre as ações de sanidade avícola. “Trabalhamos no controle das principais doenças avícolas, por meio de monitoramentos sanitários em estabelecimentos que alojem aves de produção. Desenvolvemos programas que abrangem o controle e erradicação de Newcastle e Influenza Aviária”, explicou.

 

Os programas de prevenção e controle de Salmonella foram destacados pelo médico veterinário e consultor técnico corporativo da Brasil Foods ( BRF), Marcos Antonio Dai Prá. Segundo ele é imprescindível estabelecer um manejo específico contra a bactéria, conhecendo a situação da granja. Boas práticas de manejo e higiene devem ser adotadas como prioridade.

 

A Famato, entidade de classe que representa 90 Sindicatos Rurais de Mato Grosso, desenvolve ações institucionais que garantem que a voz do produtor rural seja ouvida em diferentes instâncias. Lidera o Sistema Famato, composto pela Famato, Senar-MT, Sindicatos Rurais e o Imea. Quer saber mais sobre nossas ações? Acompanhe nossas redes sociais pelo www.facebook.com/sistemafamato e @sistemafamato (instagram e twitter) #OrgulhodeSerAgro #SistemaFamato #Famato



Fonte: Ascom Famato
 

VEJA TAMBÉM
Sindicatos rurais da região norte de MT reúnem-se em Nova Mutum
Famato participa da primeira reunião do Conselho Estadual de Avicultura
Famato integra Conselho Estadual de Sanidade Avícola (COESA)
Associação de avicultores se reúne para falar de prevenção sanitária nas granjas
 
Eventos
12ª - Parecis Super Agro 2019
20ª Expocas
15ª Expoband
Norte show
16ª Expotapurah
5º - Farm Show 2019
 
Cenarium Rural
 
Galeria Multimídia
Videos
Fotos
Bom dia Senar MT - Sobre Funrural
A produção de etanol a partir do milho
MT tem potencial e visibilidade economica
 
 
       
 
   webmail   
 
e-Famato   
 
(65) 3928-4400
famato@famato.org.br
 
Rua Eng. Edgard Prado Arze, s/n
Centro Politico Administrativo
CEP 78.049.908 - Cuiabá-MT