Sistema Famato
SENAR
IMEA
       
Fale Conosco
 
   
 
 
28 de Jul de 2015

voltar
 
MISSÃO TÉCNICA
Técnicas avançadas de produção e sanidade animal na Argentina chamam a atenção de produtores de MT
Ascom Famato
 

Os produtores rurais de Mato Grosso que participaram na última semana de uma Missão Técnica da Famato e do Senar-MT para a Argentina constataram que apesar de os pecuaristas argentinos estarem passando por uma situação econômica bastante complicada, eles continuam aplicando técnicas avançadas de nutrição animal e sanidade do rebanho, atingindo bons níveis de produção de carne e de leite.

 

O grupo, formado por 31 pessoas entre produtores, lideranças sindicais e técnicos, visitou propriedades de gado de leite, confinamento de gado de corte, estações experimentais do Instituto Nacional de Tecnologia Agropecuária (Inta), a exposição agropecuária de Palermo, o mercado de gado Liniers e a Universidade de Buenos Aires. Além disso, os produtores se reuniram com representantes do Instituto de Promoção de Carne de Gado da Argentina e da Câmara de Indústria e Comércio de Carnes e Derivados (CICRA).

 

"Os argentinos estão muito avançados na alimentação de bovinos em confinamento e semi-confinamento. O próprio clima faz com que eles desenvolvam um processo que nós não estamos aplicando em nossa região para o semi-confinamento", compara o presidente do Sindicato Rural de Aripuanã, Aparecido Walsovir Piola.

 

Segundo o vice-presidente do Sistema Famato/Senar, Normando Corral, a Missão Técnica cumpriu com os objetivos da entidade de fazer com que as lideranças sindicais conhecessem a produção agropecuária de outro país e buscassem novos conhecimentos e experiências. "Foi muito boa essa viagem, principalmente, por que acaba acontecendo uma união e uma troca de experiências entre aqueles que participam. Há uma proximidade maior e um intercâmbio muito grande entre nós do Sistema Famato e Senar".

 

Os produtores argentinos possuem alguns problemas semelhantes aos do Brasil, entre eles estão os altos custos de produção e de impostos, dificuldades na sucessão familiar e de mão de obra qualificada.

 

Se não fosse a atual política do governo, que restringe as exportações do excedente de produção, "los hermanos" estariam em condições econômicas muito melhores.

 

De acordo com o diretor geral da Safras e Mercado, Raúl Fernando Burgos, que acompanhou o grupo de Mato Grosso, os produtores argentinos estão descapitalizado e sem acesso a financiamentos públicos e privados. "Inflação alta, câmbio desfavorável e mercados fechados por conta das relações exteriores do país têm criado uma conjuntura adversa para o mercado agrícola e pecuário argentino", afirma o especialista.

 

O imposto "retenciones" faz com que boa parte de todo o excedente da produção agropecuária fique no país, o que impacta na redução dos preços dos produtos e, consequentemente, na baixa lucratividade dos produtores. No caso da carne bovina, apenas 7% do que é produzido vai para o mercado externo. No passado, esse volume correspondia a aproximadamente 15%.

 

O rebanho bovino da Argentina reduziu nos últimos 10 anos de 61 milhões para 51 milhões de cabeças. Somente o estado de Mato Grosso possui 28 milhões de cabeças.

 

O consumo de carne dos argentinos também vem diminuindo, dando espaço para as carnes de frango e suína. O preço médio de um quilo de carne bovina equivale a três quilos de frango. "Tanto o consumo de carne de frango quanto de carne suína tem dobrado nos últimos nove anos e isso é reflexo da crise financeira do país", acrescenta Burgos.

 

Na pecuária de leite, os produtores não escapam da atual conjuntura econômica. O setor atravessa uma das piores crises, com fechamento de aproximadamente 8 mil tambos (propriedades leiteiras) nos últimos anos, especialmente os de pequeno e médio porte.

 

Vale ressaltar que pelas tecnologias aplicadas na produção de leite, o volume produzido por propriedade é bem maior do que no Brasil. As propriedades pequenas da Argentina produzem até 2.900 litros de leite por dia, diferentemente de Mato Grosso em que 95% das fazendas de leite produzem menos de 100 litros por dia.

 

Para mais informações sobre a Missão Técnica acesse o BLOG: www.blogdafamato.wordpress.com. As fotos estão disponíveis no facebook www.facebook.com/sistemafamato ou no site http://sistemafamato.org.br/portal/famato/foto_detalhe.php?CodGaleria=488

 



Fonte: Ascom Famato
 

VEJA TAMBÉM
Governo atende setor produtivo e revoga decreto que eleva preços de terras
Audiência Pública debate serviços da Energisa em Poxoréu
Normando Corral é reeleito para presidir a Famato por mais três anos
Aliança Agroeconômica completa um ano e lança 3° relatório com dados do Centro-Oeste
 
Eventos

nenhum evento com foto
 
Cenarium Rural
 
Galeria Multimídia
Videos
Fotos
Bom dia Senar MT - Sobre Funrural
A produção de etanol a partir do milho
MT tem potencial e visibilidade economica
 
 
       
 
   webmail   
 
e-Famato   
 
(65) 3928-4400
famato@famato.org.br
 
Rua Eng. Edgard Prado Arze, s/n
Centro Politico Administrativo
CEP 78.049.908 - Cuiabá-MT