Sistema Famato
SENAR
IMEA
       
Fale Conosco
 
   
 
 
28 de Jul de 2015

voltar
 
MISSÃO TÉCNICA
Técnicas avançadas de produção e sanidade animal na Argentina chamam a atenção de produtores de MT
Ascom Famato
 

Os produtores rurais de Mato Grosso que participaram na última semana de uma Missão Técnica da Famato e do Senar-MT para a Argentina constataram que apesar de os pecuaristas argentinos estarem passando por uma situação econômica bastante complicada, eles continuam aplicando técnicas avançadas de nutrição animal e sanidade do rebanho, atingindo bons níveis de produção de carne e de leite.

 

O grupo, formado por 31 pessoas entre produtores, lideranças sindicais e técnicos, visitou propriedades de gado de leite, confinamento de gado de corte, estações experimentais do Instituto Nacional de Tecnologia Agropecuária (Inta), a exposição agropecuária de Palermo, o mercado de gado Liniers e a Universidade de Buenos Aires. Além disso, os produtores se reuniram com representantes do Instituto de Promoção de Carne de Gado da Argentina e da Câmara de Indústria e Comércio de Carnes e Derivados (CICRA).

 

"Os argentinos estão muito avançados na alimentação de bovinos em confinamento e semi-confinamento. O próprio clima faz com que eles desenvolvam um processo que nós não estamos aplicando em nossa região para o semi-confinamento", compara o presidente do Sindicato Rural de Aripuanã, Aparecido Walsovir Piola.

 

Segundo o vice-presidente do Sistema Famato/Senar, Normando Corral, a Missão Técnica cumpriu com os objetivos da entidade de fazer com que as lideranças sindicais conhecessem a produção agropecuária de outro país e buscassem novos conhecimentos e experiências. "Foi muito boa essa viagem, principalmente, por que acaba acontecendo uma união e uma troca de experiências entre aqueles que participam. Há uma proximidade maior e um intercâmbio muito grande entre nós do Sistema Famato e Senar".

 

Os produtores argentinos possuem alguns problemas semelhantes aos do Brasil, entre eles estão os altos custos de produção e de impostos, dificuldades na sucessão familiar e de mão de obra qualificada.

 

Se não fosse a atual política do governo, que restringe as exportações do excedente de produção, "los hermanos" estariam em condições econômicas muito melhores.

 

De acordo com o diretor geral da Safras e Mercado, Raúl Fernando Burgos, que acompanhou o grupo de Mato Grosso, os produtores argentinos estão descapitalizado e sem acesso a financiamentos públicos e privados. "Inflação alta, câmbio desfavorável e mercados fechados por conta das relações exteriores do país têm criado uma conjuntura adversa para o mercado agrícola e pecuário argentino", afirma o especialista.

 

O imposto "retenciones" faz com que boa parte de todo o excedente da produção agropecuária fique no país, o que impacta na redução dos preços dos produtos e, consequentemente, na baixa lucratividade dos produtores. No caso da carne bovina, apenas 7% do que é produzido vai para o mercado externo. No passado, esse volume correspondia a aproximadamente 15%.

 

O rebanho bovino da Argentina reduziu nos últimos 10 anos de 61 milhões para 51 milhões de cabeças. Somente o estado de Mato Grosso possui 28 milhões de cabeças.

 

O consumo de carne dos argentinos também vem diminuindo, dando espaço para as carnes de frango e suína. O preço médio de um quilo de carne bovina equivale a três quilos de frango. "Tanto o consumo de carne de frango quanto de carne suína tem dobrado nos últimos nove anos e isso é reflexo da crise financeira do país", acrescenta Burgos.

 

Na pecuária de leite, os produtores não escapam da atual conjuntura econômica. O setor atravessa uma das piores crises, com fechamento de aproximadamente 8 mil tambos (propriedades leiteiras) nos últimos anos, especialmente os de pequeno e médio porte.

 

Vale ressaltar que pelas tecnologias aplicadas na produção de leite, o volume produzido por propriedade é bem maior do que no Brasil. As propriedades pequenas da Argentina produzem até 2.900 litros de leite por dia, diferentemente de Mato Grosso em que 95% das fazendas de leite produzem menos de 100 litros por dia.

 

Para mais informações sobre a Missão Técnica acesse o BLOG: www.blogdafamato.wordpress.com. As fotos estão disponíveis no facebook www.facebook.com/sistemafamato ou no site http://sistemafamato.org.br/portal/famato/foto_detalhe.php?CodGaleria=488

 



Fonte: Ascom Famato
 

VEJA TAMBÉM
Prazo para aderir ao Regularize-MT é prorrogado
Governo atende solicitação da Famato e prorroga prazo de adesão ao Refis
Famato participa de audiência pública para discutir Projeto de Lei do Pantanal
Famato participa de missão nos EUA liderada pela Aprosoja Brasil
 
Eventos

nenhum evento com foto
 
Cenarium Rural
 
Galeria Multimídia
Videos
Fotos
Bom dia Senar MT - Sobre Funrural
A produção de etanol a partir do milho
MT tem potencial e visibilidade economica
 
 
       
 
   webmail   
 
e-Famato   
 
(65) 3928-4400
famato@famato.org.br
 
Rua Eng. Edgard Prado Arze, s/n
Centro Politico Administrativo
CEP 78.049.908 - Cuiabá-MT